Download MetaTrader 5

Problemas de análise técnica revisitados

18 fevereiro 2016, 15:44
Constantin Tsarikhin
0
370

Introdução

Atualmente, a análise técnica, em conjunto com a fundamental, é o mais importante método de análise do mercado de ações. Na Rússia, ela é usada pela maioria dos traders. Podemos até mesmo afirmar que ao menos um conhecimento básico da análise técnica é um tipo de "bilhete de entrada" para o mercado: Este não é o lugar para aqueles não possuem isso.

Sendo um dos métodos de previsão das dinâmicas de preço do mercado de ações, a análise técnica tem uma grande quantidade de desvantagens que traz dúvidas em relação a sua aplicabilidade prática.

NB: Eu tenho usado análise técnica desde 1996. Eu experimentei e testei uma grande quantidade de indicadores relativos a dados reais durante este período. As conclusões não são encorajadoras: Em muitos casos, o comportamento do mercado é oposto a todas as previsões. Há tantos estudos e publicações sobre este tópico, que eu não gostaria de repeti-los aqui.

Os defensores da análise técnica atentam para o seguinte: "A análise técnica requer uma alta qualificação analítica. Sendo usada apropriadamente, ela ajuda na obtenção de resultados muito bons. Então, a questão não são os problemas da análise técnica em si. O problema está no seu uso correto".

No entanto, em minha opinião, o problema tem origem no fato de que a análise técnica como um método de análise e previsão das dinâmicas de preço do mercado tem alguns defeitos inerentes localizados em seus postulados fundamentais e em sua própria ideologia.

NB: Todos os erros tem origem na aspiração dos analistas técnicas em analisar o gráfico mas não o mercado.


Uma parábola chinesa me vem à mente:

- Pode-se falar em enigmas às pessoas? Baigun perguntou a Confúcio, mas este não respondeu.
- O que aconteceria se um enigma fosse como uma pedra jogada num rio? Baigun perguntou.
- Há muitos bons mergulhadores no reino de Wu, eles irão pescá-lo, respondeu Confúcio.
- E o que acontece quando uma enigma é como água derramada sobre água?
- Misturaram a água dos rios Tze e Shan. No entanto, o chefe Yi Ya experimentou-as e conseguiu distingui-las.
- Você quer dizer que não devemos falar em enigmas?
- Porque não? No entanto, aquele que fala entende, ele mesmo, o significado das palavras? Aqueles que entendem o significado das palavras não falam com palavras. As roupas dos pescadores ficam molhadas, os pés dos caçadores ficam cansados, mas não por prazer. Já que as palavras mais verdadeiras estão no silêncio, um ato verdadeiro é a inatividade. Afinal, tudo o que as pessoas superficiais estão discutindo é tão insignificante!

Não obtendo nenhuma resposta do mestre, Baigun morreu no banho.

O mercado fala em enigmas às pessoas. Um gráfico são palavras, roupas molhadas, pés doloridos. Nós precisamos chegar ao fundo da questão: quantas codornas o caçador derrubou, quantos peixes o pescador pescou? A lista dos obcecados por gráficos que "morreram no banho" provavelmente seria bastante longa.

Tendo encontrado um objeto no gráfico, um analista se apressará em exclamar: "O mercado se move nessa direção, pois eu vejo o objeto no gráfico!". No entanto, não se deve agir deste modo. Tendo observado alguma coisa no gráfico, devemos nos perguntar: "Qual processo acontecendo no mercado causou a aparição deste objeto no gráfico? Este processo resultará numa volta ou simplesmente em alguma correção?

Negligenciar o conteúdo essencial dos processos que acontecem no mercado pode resultar nos piores erros em desenvolvimento de análises técnicas.

Erro 1

Os mesmos indicadores são utilizados para analisar mercados bem diferentes: por exemplo, o mercado de ações e o mercado de obrigações, Forex e o mercado de produtos. Em alguns casos, esta abordagem é permitida pela situação: Um "falso fundo" é um "falso fundo" em qualquer lugar. Entretanto, frequentemente esse não é o caso. Isto resulta em erros.

Os mercados mencionados acima diferem uns dos outros não somente quanto à morfologia e particularidades das negociações, mas também quanto aos seus....formatos de gráfico! É justo dizer que esta diferença pode ser percebida somente por profissionais. Ela não pode ser percebida por novatos. Abaixo, temos alguns gráficos para ilustrar o meu ponto. Companhias clássicas russas estão mostradas nas figuras 1-1 e 1-2: LUKOIL e Companhia unificada elétrica russa por um ano.


Figura 1-1. LUKOIL, MICEX, maio 2003 - maio 2004

Figura 1-2. Companhia unificada elétrica russa, MICEX, maio 2003 - maio 2004

O que você verá a seguir é típico para um gráfico do mercado secundário: recuos curtos quando o preço cresce e recuos longos quando ele cai, uma faixa relativamente pequena de preços em bandas, algumas vezes períodos relativamente longos de estabilidade depois do crescimento. Os altos e baixos do mercado ocorrem raramente, isto normalmente acontece quando o mercado passa da queda ao crescimento. Alternâncias entre períodos de movimentos ativos com recuos e fragmentos clássicos de tendência. O mercado de ações geralmente cresce lentamente e cai rapidamente.

Na figura 1-3 – 1-6, há alguns gráficos do mercado de commodities. A seguinte situação é típica neles: estrutura de tendência explícita, contratempos repentinos (por exemplo, na figura 1-5), quebras consideráveis, alterações repentinas na direção do movimentos de preço durante fortes contratempos, variações relativamente altas. Os períodos de crescimento e queda tem aproximadamente o mesmo comprimento em um mercado de produtos; mesmo que ele, ao contrário do mercado de ações, cresça rápido e caia lentamente (ver figura 1-6).

Eu considero que todo tipo de mercado tem o seu retrato típico. Esta ideia precisa ser desenvolvida. Ainda há considerações preliminares.



Figura 1-3. Futuros para a Brent Oil

Figura 1-4. Futuros de petróleo

Figura 1-5. Gás natural Spot

Figura 1-6. Dinheiro em níquel. LME

Infelizmente, a ideia não foi desenvolvida em relação à análise técnica. (Eu posso estar errado, é claro. Seria interessante saber a opinião de outros especialistas: Será que eles já se depararam com quaisquer trabalhos relativos à análise técnica nos quais a questão de diferentes formatos de gráficos para diferentes mercados é considerada?) O FOREX é uma exceção. Os seus gráficos tem várias características semelhantes àquelas dos "produtos" e "ações." De modo geral, eu possuo conhecimentos limitados sobre o FOREX, então eu não escreverei muito sobre ele.

NB: Acredito que uma das maneiras de um analista técnico se desenvolver deve ser a diferenciação dos tipos de mercado sendo pesquisados.

Erro 2

Os pesquisadores são incapazes de entender a natureza do mercado. Alguns consideram isso um objeto natural, e não um objeto criado artificialmente. Esta complexidade de dificuldades e erros causou uma grande quantidade de técnicas de previsão incorretas. Pesquisadores tentaram encontrar a ordenação perfeita onde ela não existe e nem pode existir. Por exemplo, as "ondas de Elliot" e a "sequência de FIbonacci". Por outro lado, alguns tentaram aplicar às análises de mercado a teoria do caos e a geometria fractal, sendo que nenhuma delas possui qualquer relação com o mercado, pois descrevem objetos absolutamente diferentes.

"Mandelbrot descobriu que as alterações fractais de rios são semelhantes às mesmas estruturas dos mercados de produtos, o que evidencia que os mercados são mais uma função natural do que um processo criado pelo hemisfério esquerdo humano," (Bill Williams. "Trading Chaos" ("O caos das negociações"), página 64) - a falácia lógica de inferência está presente: algumas vezes até mesmo sistemas muito diferentes podem produzir aparências superficialmente semelhantes (podemos lembrar do gestual de proteção no mundo animal: estes meios de proteção ocorriam em dinossauros e mamíferos em tempos diferentes, com o intervalo de dúzias de milhões de anos). Com o intuito de não sobrecarregar a minha argumentação, coloquei meus pensamentos sobre a teoria de "ondas de Elliot", "números de FIbonacci" e geometria fractal no final do meu artigo, na seção de "Particularidades".

Os analistas usam termos como "energia", "tendência altista", "tendência baixista" e outros, para descrever mercados. O mercado, para esses analistas, pode "cair", "saltar rapidamente" e "se mover por inércia", ele pode ser "empurrado", "concentrado" e "freado". O MACD, por exemplo, "....aponta o caminho como lanternas de carros" (A. Elder). Também podemos citar Bill Williams: "A energia sempre toma o caminho de menor resistência. O mercado é parecido com um rio... Já que um rio desce a correnteza, o seu comportamento é determinado pela escolha do caminho de menor resistência." Nesta conexão, me lembro de um conhecido que recomendava a todos comer sementes de cânhamo. Ele argumentava a favor desta ideia da seguinte maneira: Os papagaios, ele disse, comem semente de cânhamo e vivem até 300 anos. Se um ser humano comer cânhamo, ele também viverá até os 300 anos.

NB: Uma teoria deve ser desenvolvida para descrever os mercados (ações, commodities, forex) como eles são, com todas as suas peculiaridades que não podem ser reduzidas a leis puramente naturais, psicológicas ou financeiras. Devemos admitir que todo mercado (de ações) organizado é um sistema sofisticado que existe e se desenvolve sob suas próprias leis.


A falta de esclarecimento sobre a verdadeira natureza e morfologia dos mercados de ações criou dificuldades na definição de razões para os crescimentos e quedas dos mercados. Além das misteriosas "tendência altista", 'tendência baixista" e "energia de mercado em potencial", também se fala muito sobre "emoções de multidão" e "estruturação psicológica de massa". Minhas opiniões sobre este tópico também podem ser lidas no final deste artigo.

Caso a natureza do mercado seja considera com mais cuidado, pode-se descobrir muitas coisas interessantes. Uma certa gama de fatores é eficiente em cada tipo de mercado. Para o mercado secundário, é o fluxo de capital. Para o mercado de produtos, são as mudanças de equilíbrio entre demanda e oferta, mais o fluxo do capital de risco, e assim por diante.

Geralmente, este tópico necessita de uma pesquisa especial. Eu produzi algo nesta área, mas vou falar sobre isso no final do artigo.

O segundo e terceiro erros criaram dificuldades em relação à própria interpretação de volumes. De fato, caso não tenhamos entendido a questão principal a respeito da natureza dos processo do mercado refletidos nos gráficos, o que podemos dizer sobre quaisquer interpretações de volumes? Os livros sobre análise técnica contém tudo exceto a interpretação adequada do volume. Os autores não fazem muito mais do que afirmar algo como "a direção do volume confirma a tendência" ou "alterações de volume precede mudanças de preço" (Joseph Granville). Os indicadores criados com base no volume são simplesmente horríveis. Basta pensar no clássico "On Balance Volume" ("volume sobre balanço", OBV) ou o "Force Index" ("índice de força") de Elder (FI). Aliás, em relação a este último indicador: Não está nem um pouco claro o sentido de multiplicar o volume pela diferença de preço. Meu professor de matemática da escola dizia que lâmpadas multiplicadas por laranjas resultam em algo como "lâmpadanjas", e não em coisas de verdade. Este é exatamente o mesmo caso.

Nós podemos resolver um problema simples. Dick, Harry e Tom tem duas maçãs cada. Quantas maçãs eles tem juntos? Solução:

3 * 2 = 6

Tudo é claro e lógico neste problema. O sentido de multiplicar a quantidade de crianças pela quantidade de maçãs pode ser perfeitamente entendido. No entanto, há outros problemas que são bem diferentes: Quanto vale um quilo de unhas se o trunfo é o naipe de copas? Ou: O que nós teremos se multiplicarmos a diferença de preço pelo volume?


Erro 3

Tomar liberdades inadequadas em relação ao tempo.

Por alguma razão, analistas técnicos pulam fins de semana e feriados públicos quando desenham gráficos. Como resultado deste tratamento impreciso do tempo, os gráficos ficam muitas vezes distorcidos. Também há alguns métodos questionáveis. Alguns semelhantes ao "jogo-da-velha", por exemplo.

A técnica para se construir ângulos em um gráfico (por exemplo, ângulos de Gann) devem ser especificamente considerados. O que um ângulo de 45º significa? A tangente deste ângulo deve ser uma, correto? Na prática, isso significa que preço/tempo= 1. Isso significa, digamos, que um rublo corresponde a um dia. Caso o meu rublo seja igual a dois dias, o ângulo será de 26,57º. Isso é o arctg (0,5), ver figura 1-7 em relação a isso. Este exemplo nos demonstra que, se a escala de tempo aumentar 2 vezes, o ângulo será reduzido 1,69 vezes. Nós iremos observar o mesmo efeito caso aumentemos o preço em 2 vezes. O ângulo então será igual a 63,43º.


Figura 1-7. Ângulos de Gann em escalonamento diferente

Negligenciar as questões relativas ao tempo leva pesquisadores a esquecerem totalmente das coordenadas em que operam: deste ponto de vista, a citação a seguir do "Guia de estudo para negociações como uma profissão" de A. Elder é típica:

"Existem muitas técnicas para projetar provavelmente até onde uma quebra chegará, o que irá se seguir ao retângulo. Meça a altura do retângulo e projete-o da parede quebrada na direção da quebra. Este é o alvo mínimo. O alvo máximo é obtido tomando-se o comprimento do retângulo e projetando-o verticalmente da parede quebrada na direção da quebra (itálico meu - K.Ts.)".

Por favor, observe a frase em itálico: é um absurdo completo. O comprimento do retângulo no gráfico é medido em termos de tempo (dias, semanas), então não faz sentido colocar estes valores no eixo de preço. Para visualizar o erro cometido pelo autor nesta recomendação, vamos examinar a figura 1-8, que exibe o mesmo gráfico em diferentes escalas de tempo (a escala de tempo da figura a direita é duas vezes maior):

Figura 1-8. A previsão do nível máximo de preço quando irrompido do retângulo, de acordo com Elder

No segundo caso, o nível máximo previsto acaba por ser duas vezes mais alto quando o mesmo retângulo foi considerado. De qualquer maneira, a técnica revisada não responde a questão de porque o nível de máximo de preço deve ser encontrado naquele lugar, e não em outro.

NB: Para eliminar tais erros, é necessário exibir o tempo no gráfico de maneira apropriada.


V.I. Yeliseev é um matemático por formação (veja em www.maths.ru). Ele inventou o seu próprio sistema original de análise de gráfico de bolsas de valores. Se os analistas "normais" colocam o movimento do preço em coordenadas horizontais, posicionando o tempo no eixo X e o preço no eixo Y, o sr. Yeliseev usa um gráfico circular com somente um eixo. O seu tempo é circular, e o preço é posicionado no eixo (ver figura 1-9):



Figura 1-9. Gráfico de preço em V.I., coordenadas de Yeliseev

O círculo é dividido em doze setores, um para cada mês. O preço realiza uma revolução completa dentro de um ano - bom, tudo termina e recomeça. O gráfico de preço lembra uma espiral. Isso é apenas um exemplo de uma abordagem não padrão, e nada mais. Eu hesito em afirmar diretamente que este método está correto.

Falar sobre o tempo também me faz lembrar de mais um calcanhar de Aquiles da análise técnica: O parâmetro de tempo nos indicadores. De fato, vamos imaginar que nós estamos construindo uma média. Em relação a quantos dias? Vinte e cinco? Mas por que vinte e cinco exatamente? Nós estamos jogando com sinais RSI? Ok! Dentro de quantos dias nós construímos este indicador? Cinco? Muito esperto? Quatorze? Mas por que quatorze?



Infelizmente, os "intocáveis" não são capazes dizer nada sobre isso, exceto: "escolha o parâmetro de tempo que tenha funcionado melhor em relação à informação pesquisada no passado. Caso, por alguma razão, o indicador com o parâmetro de tempo escolhido tenha parado de funcionar com sucesso, escolha outro valor para o parâmetro". Isso significa que eles estão simplesmente nos dizendo: "ajuste o método para o resultado até você estar satisfeito (e não o resultado de acordo com o método)".


NB: É necessário desenvolver indicadores que não dependam de parâmetros de tempo ou que usem tais parâmetros a serem exibidos em algoritmos claros e com base científica.


Erro 4

A consequência lógica do tópico sobre como exibir o tempo nos gráficos é o tópico relativo a como representar preço e volume, assim como um tópico mais amplo sobre composição e representação de dados de negociação.

O gráfico circular do V.I. O supracitado Yelissev demonstra uma das tentativas de acabar com os estereótipos que foram estabelecidos durante dezenas de anos de evolução da análise técnica.

De fato, porque construir um gráfico baseado em preços abertos, altos, baixos e fechados? Porque nós não consideramos os valores médios? Eu me deparei com um cálculo de média aproximada criado por um autor americano:


máx + min

2

... e isto foi nos dias dos Pentiums. Acredito que o problema seja o seguinte. Na época em que as bolsas de valores começaram a publicar tabelas de cotas e os analistas começaram a colocá-las em gráficos, tornou-se tecnicamente muito difícil calcular as médias, particularmente a média de peso, para volumes de trade: Eram necessárias várias horas de trabalho (imagine que algumas milhares de negociações foram realizadas). Os traders da bolsa decidiram: Contentar-se com esta média... Então, desde aí, ela desapareceu. No presente, o cálculo de médias leva centésimos de segundo, ou mesmo milissegundos. Então, porque não introduzir esta medida no gráfico de negociações?

Os analistas ocidentais tem usado inconvenientes gráficos de barras por décadas, fingindo que nada melhor pode ser feito. E, somente nos início do anos 90, quando o livro famoso de S. Nison foi publicado, foi que eles descobriram as velas japonesas. Pergunta: Talvez seja melhor pensar na aparência do gráfico em vez de inventar tantos indicadores complicados?



Erro 5

Por que nós somente construímos linhas de tendência retas?

Em muitos casos, no entanto, os movimentos de subida e queda são aproximados por uma curva! O problema aqui reside no fato de que é muito fácil construir essas linhas de tendência retas, enquanto é muito difícil construir curvas. Estas últimas demandam alto conhecimento matemático, o que muitas vezes é o ponto fraco de muitos criadores de gráficos (existe ainda outra solução: estudar as características do MS Excel...).


Erro 6

A desnecessária concentração de analistas técnicos em eventos intradiários é impressionante:

"Caso o preço quebre a essa altura, então...", "o volume foi extremo hoje, isto significa que...", etc. Na minha opinião, este ponto de vista está errado. Tendências não se desenvolvem dentro de um dia, mesmo que se possa encontrar extremos no gráfico. Na maioria dos casos, as viradas de tendência são causadas por movimentos do mercado global que se estendem por longos períodos de tempo. Raramente o mercado é movimentado por uma "force majeure".

Tome, por exemplo, o modelo de virada "cobertura de nuvem negra" (ver figura 1-10):


Figura 1-10. Modelo de cobertura de nuvem negra

É isto que Gregory Morris escreve sobre o seu modelo em seu livro "Gráficos de velas explicados: Técnicas atemporais para a negociação de ações e futuros" ("Candlestick Charting Explained: Timeless Techniques for Trading Stocks and Futures", 1995):

"A tendência de alta prevalece no mercado. A longa vela branca que se forma é típica da tendência de alta. Durante a abertura do dia seguinte, ela se quebra. No entanto, a tendência de alta pode parar por ali. O mercado cai para fechar dentro do corpo do dia branco, praticamente sob o seu meio. Todo trader altista deve revisar a sua estratégia sob estas circunstâncias. Como no caso de uma vela perfurante, ocorre uma virada importante no mercado."

Não fica nem um pouco claro na explicação acima porque este modelo é considerado o modelo de virada, assim como porque "todos os traders altistas devem revisar a sua estratégia sob estas circunstâncias." Você deve saber que, para muitos compradores, uma forte tendência de baixa mostrada como uma vela negra é um bom momento para comprar. Nessas condições, a "virada importante de mercado" pode nunca acontecer no dia seguinte. Então, porque os analistas japoneses observaram, em muitos casos, a alteração de tendência depois de aparição de uma "cobertura de nuvem negra"?

Isto foi causado por aqueles grandes traders do mercado. Assim que eles começaram a sair do mercado, isto causou o aparecimento da cobertura de nuvem negra. São traders que expandem o mercado, e não propriedades de gráfico.


Erro 7

Aliás, sobre viradas. Porque tantos traders jovens e inexperientes deixam a desejar? É por conta de sua inabilidade em distinguir uma virada real de uma imaginária.

É justo observar que, quando os preços alcançam os extremos, praticamente ninguém entende que se trata de um extremo. Ele normalmente é entendido mais tarde, um ano ou um ano e meio depois. Na figura 1-11, uma típica divergência baixista entre preços de RSI no mercado secundário é exibida.


Figura 1-11. Divergência entre o RSI e preços no mercado secundário


A. Elder escreve quanto a isso: "Divergências baixistas exprimem sinais de venda. Elas ocorrem quando os preços partem para um novo pico mas a RSI faz um topo mais baixo durante a corrida anterior. Venda a descoberto assim que a RSI virar-se para baixo depois do seu segundo topo, e posicione uma parada protetora acima do menor ponto alto. Sinais de venda são especialmente altos caso o topo da RSI seja acima de sua linha de referência superior e o segundo topo seja abaixo dela."

Esta situação ocorre com muita frequencia antes dos preços se alterarem. Nossos traders irão fechar na parada (caso o mercado não se torne ilíquido). Desenvolvimento possível da situação é mostrado na figura 1-12.


Figura 1-12. Os preços se alteram depois da divergência


Nós também podemos reclamar das dificuldades em reconhecer as formas no gráfico dentro deste tópico. No entanto, isto não é tão ruim.

Particularidades


Ondas de Elliot e números de Fibonacci


Observar gráficos de preço é tão interessante e excitante que isso as vezes atrai as pessoas que parecem ter pouco a ver com o mercado. R.N. Elliot, um modesto contador americano que viveu no final do século XIX até a primeira metade do século XX, devotou todo o seu tempo livre para a análise de gráficos. Ele tentou encontrar uma fórmula mágica, um tipo de chave mágica para o mercado que permitiria fazer previsões relativamente confiáveis. Devo dizer que ainda existem muitos traders que procuram a "pedra filosofal". Acredito que há algo de muito humano em tentar procurar alguma ordem perdida no caos. Bem, após muitos anos de pesquisa, Elliot concluiu que, em sua opinião, havia uma estrutura misteriosa controlando o mercado. No entanto, Elliot não precisou o que era essa estrutura e qual era a sua natureza. Mas ele deduziu um princípio, ou melhor, uma lei, que subordinaria os movimentos de preço. Estas são as chamadas "ondas de Elliot" (ver figura 1-13):



Figura 1-13. Ondas de Elliot. Fonte: www.finbridge.ru

De acordo com Elliot, a tendência de subida consiste em cinco ondas, enquanto a tendência de baixa tem três ondas. Crescimento e queda são periodicamente substituídos por correções. Os parâmetros de onda no modelo de Elliot estão interrelacionados por meio de inteligentes razões matemáticas. Por exemplo, níveis de preço alcançados no final da primeira e da segunda onda são interrelacionados por meio da "razão áurea" (ver figura 1-14):

Figura 1-14. Razão áurea em ondas de Elliot


Ao mesmo tempo, muitos seguidores de Elliot insistem que esta razão pode ser diferente, como 0,5 ou 0,667 (2/3). Aliás, a "razão áurea" é amplamente presente na natureza. Podemos observá-la na proporção das galáxias, animais, plantas, humanos (por exemplo, meça a falange de seus dedos - elas se relacionam na proporção de 1,618; também devemos notar que 1/1,618 é 0,618; os números 1,618 e 0,618 são as vezes chamados de "número de Fibonacci"; devemos lembrar que os valores dados aqui são aproximados; o valor preciso destes números não pode ser expresso em um conjunto finito de números; até sete decimais, o número  é 1,6180339...; pode ser obtido a partir da seguinte expressão:  = 0,5 + √5/2). Escultores e arquitetos gregos antigos usaram a "razão áurea" em seus trabalhos. Nós podemos ver esta razão nos trabalhos do mestres orientais. Um matemático medieval chamado Leonardo Fibonacci também estudou esta questão. Ele considerou uma sequência de números naturais positivos na qual cada número seguinte é igual aos dois anteriores somados:

1, 1, 2, 3, 5, 8, 13, 21, 34, 55 e assim por diante.

Esta sequência foi chamada de sequência Fibonacci. Se dividirmos os dois números vizinhos da sequência Fibonacci, um pelo outro:

1/1 = 1; 1/2 = 0,5; 2/3 ≈ 0,667; 3/5 = 0,6; 5/8 = 0,625; 8/13 = 0,615; etc.,

...nós veremos que cada resultado gradualmente se aproxima da proporção da "razão áurea", mas ela nunca é alcançada.

Os seguidores da teoria de Elliot consideram que a "razão áurea" e os estreitamente ligados sequência e números de Fibonacci devem aparecer nos gráficos. Eles raciocinam que, como podemos observar as relações acima em uma significante quantidade de objetos naturais, nós devemos observá-las nos gráficos também. Além disso, alguns especialistas consideram que um objeto natural e o mercado são a mesma coisa. Isto é o que Bill Williams afirma: « … os mercados são uma função não linear "natural" e não uma função linear de "física clássica"..." (B. Williams. "O caos das negociações")


No entanto, esta afirmação é um absurdo absoluto. Um homem sábio de Odessa, monsenhor Boyarski, um dia disse a sua esposa Dvoira: "Madame Krick, eu nunca vou dizer do preto que ele é branco, nem vou me permitir dizer do branco que ele é preto". (I. Babel. "Pôr do sol")

Bill Williams nomeia as coisas brancas como pretas. O mercado é um sistema complicado criado pelo homem. Talvez os cientistas venham a descobrir as leis que regulam o seu funcionamento. Mesmo um ser humano não é somente natural, mas também um um sujeito social. Então, o que devemos pensar sobre um mercado...Milhões de pessoas negociam no mercado. Você pode provar que suas atividades produzem ondas de Elliot, números de Fibonacci e ângulos de Gann. Prove! E depois comece a fazer previsões para propósitos específicos.

Os números de Fibonacci e outras relações "mágicas" podem algumas vezes ocorrer em gráficos, mas somente junto com outras proporções. O mercado muitas vezes recua depois de um crescimento, digamos, 50, 40, 30% - em geral, o valor de recuo pode ser muito diferente. Qualquer analista de bom senso irá lhe dizer isso. No entanto, muitos especialistas afirmam que os números Fibonacci, as ondas de Elliot, etc. podem "gerenciar" o mercado.

NB: Será mesmo? Sim, elas relações são muitas vezes observadas nos gráficos. No entanto, em muitos casos, eles não são. A divergência dos parâmetros de flutuação de preço é tão grande que quaisquer relações podem ser encontradas aqui. Quanto a esses números "gerenciarem" o mercado, posso dizer: Sim, eles o fazem. No entanto, eles o fazem até um certo ponto, de conseguirem manter a consciência do analista conspirando ondas com parâmetros pré-definidos no gráfico...

Fractais

Aliás, em relação às ondas. Se considerarmos mais de perto qualquer elemento da onda de Elliot, por exemplo, ondas 1 e 2, nós vamos descobrir que eles copiam toda a formação de onda, mas minimamente (ver figura 1-15):


Figura 1-15. Ondas ampliadas 1 e 2


As ondas de Elliot são, então, similares a objetos fractais, ou fractais. O fractal é um sistema onde os elementos de nível baixo copiam os elementos de nível mais alto. Na figura 1-16, podemos observar os objetos fractais mais simples:


Figura 1-16. Fractais mais simples: A - fractal ordenado. B - fractal não ordenado

Eles são formados por círculos. Como você pode observar, o nível de estrutura n+1 copia a estrutura do nível n. Nós observamos os mesmos círculos no nível mais baixo. Em nosso exemplo, em um fractal ordenado, o raio decresce duas vezes ao chegar no nível n+1 e a sua quantidade é estritamente fixa: dois círculos de baixo nível para um círculo de nível alto. Este não é o caso em um fractal não ordenado. O raio dos círculos que não são alterados em uma ordem estrita, a quantidade de elementos no nível n+1 também flutua. O número de níveis em um fractal é nomeado de número do fractal. Para o fractal A, ele é 4, e para o fractal B, ele é 5. Observe o vetor de tempo - ele é direcionado de elementos maiores para os menores. Por quê? Qual é o significado disso? - Irei discorrer sobre isso a seguir.

O termo "fractal" foi cunhado por Benoit Mandelbrot, membro da equipe do Centro de pesquisa Thomas J. Watson da IBM, em 1977. Ele fez descrições matemáticas dos fractais, apesar de alguns matemáticos já terem considerado os objetos fractais no século XIX. O próprio termo "fractal" vem da palavra latina "fractus" que significa "dividir", "dividido em partes". Mandelbrot definiu um fractal como "uma forma geométrica ou irregular que pode ser subdividida em partes, sendo que cada uma (pelo menos aproximadamente) é uma cópia reduzida em tamanho do todo". Ele observou que a estrutura do fractal foi repetida em objetos de tamanho reduzido. Muitos objetos naturais são similares a fractais. Nós podemos nomeá-los fractais naturais ao contrário dos fractais matemáticos com os quais o cientista lidava. Uma árvore, por exemplo, é um fractal natural não ordenado que é formado com o tempo por grandes elementos (tronco,ramos) para menores (galhos). Este é o sentido da seta "tempo" mostrada na figura 1-16. A pena de um ganso também um fractal natural, mas é mais ordenada do que o de uma árvore. Benoit Mandelbrot, além disso, percebeu que alguns objetos, assim como o litoral britânico, lembram o contorno de um fractal não ordenado imaginário. Ele também percebeu que, em alguns casos, uma estrutura caótica externa tem alguma ordem interna transfenomenal que se relaciona, novamente, a fractais.

Muitos analistas técnicos saltaram para estas ideias. Um grupo de pesquisadores declarou que um gráfico de preço é um objeto baseado em uma estrutura fractal invisível e a única coisa que podemos fazer parar realizar boas previsões para o futuro é encontrar esta estrutura hipotética, então tudo mais será uma questão de realização. É preciso apontar que a procura pelo fractal ainda não resultou em algo essencial. Um outro grupo acabou de realizar um ataque contra o mercado, dizendo que o próprio gráfico é um fractal. Espero que meus leitores possam me perdoar por eu não expor as ideias com muita clareza. Eu posso me desculpar dizendo que eu estou tentando relatar ideias confusas e pouco claras com as minhas próprias palavras. Muitos especialistas que dizem que o "mercado = fractal " não tem ideia

a) do que é o mercado;

b) do que é um fractal; e

c) do significado do sinal de "=".

Então, para entender o que irá acontecer no mercado dentro do próximo mês, é suficiente considerar os movimentos de preço dentro de, digamos, cinco dias, já que, se o mercado é um objeto fractal, as coisas acontecendo no nível n+1 refletem significativamente as coisas acontecendo no nível n !

O que podemos dizer sobre isso? A seguinte história me ocorre: Um aluno preguiçoso, preparando-se para uma prova de biologia, estudou somente um tópico: pulgas. Em sua avaliação, ele vê um tópico sobre peixes. Sendo um homem criativo, o estudante diz para o seu professor: "O corpo do peixe é escamoso. No entanto, caso o peixe fosse peludo, com certeza ele teria pulgas..." E começa a falar tudo que sabe sobre pulgas. Alguns analistas também aprenderam somente um tópico - fractais - e apenas de uma maneira superficial. Falando seriamente, antes de construir algum método específico de previsão (e as coisas chegam a este ponto, leia, por exemplo, "O caos das negociações", de Bill Williams), deve-se provar cientificamente que, de fato, uma estrutura fractal específica está por trás do caos do mercado. Eu nunca vi uma prova desse tipo.

Além disso, nós temos que entender claramente o seguinte. Os fractais de Mandelbrot são estruturas matemáticas abstratas e geométricas. Os fractais naturais são organismos criados pela "mente superior", e que se desenvolvem de acordo com um certo plano. Este plano implica tanto nas suas estruturas fractais quando na "razão áurea" em suas proporções e em muitas outras coisas que nós não conhecemos, nem podemos perceber. Para aqueles leitores que não acreditam na "mente superior", eu posso dizer que o plano de evolução para qualquer criatura viva no nosso planeta é codificado em seus genes que estão inclusos na molécula de DNA. É no DNA que a informação sobre fractais, "razão áurea", etc. é armazenada.

Além do mais, um fractal natural se desenvolve de elementos maiores para elementos menores. O tempo está seguindo aqui "junto" com o fractal (este é o sentido da seta na figura 1-16), onde o gráfico é formado pelo agrupamento de relativamente pequenos elementos (preços de trades únicos específicos) em relativamente maiores (velas, por exemplo). Em um gráfico, o tempo está seguindo de alguma maneira "lateralmente": junto a uma linha imaginária no rodapé da linha externa do fractal invisível (dê uma outra olhada na figura 4 e em qualquer gráfico de preço). Um gráfico é apenas semelhante a um fractal devido ao seu contorno.

NB: Portanto, caso alguém declare que o mercado é um objeto fractal regulado pelos números de Fibonacci e outras relações numéricas pré-definidas, eu pediria a este pesquisar me mostrar a molécula do DNA ou o programa que regula o mercado! Ou ao menos provar que o caos no preço do mercado realmente é um caos no nosso nível de percepção e nós seremos capazes de ver a ordem no mercado se olharmos para ele do ângulo correto! Como é agora, eu tenho que observar que todas as teorias sobre ondas, fractais e números "mágicos" não são construídas com nenhuma embasamento sério científico.


"Escola psicológica"

Uma vez, em 1996, quando eu esperando em uma fila no refeitório da bolsa de vlaores, o meu velho colega, trader da bolsa e professor Valeri Gaevski me cutucou discretamente e, apontando para um homem tonsurado de altura média que estava a vários passos de distância, disse: "Este é o doutor Elder. Ele veio chegou dos Estados Unidos ontem. Você não leu o livro dele? Acho que você deveria lê-lo... "É assim que eu conheci o famoso trader, analista e autor Alexander Elder. Como foi o seu caminho para a fama? Nosso herói nasceu nos U.R.S.S., graduou-se na faculdade de medicina e trabalhou como médico a bordo de um navio. Porém, vamos deixar que ele mesmo se expresse:

"Eu cresci na União Soviética, na época em que ela era, nas palavras de um ex-presidente dos EUA, "um império do mal". Eu odiava o sistema soviético e queria partir, mas a emigração era proibida. Eu entrei no colégio aos 16, terminei a faculdade de medicina com 22, completei minha residência, e depois me tornei médico de um navio. Agora eu poderia ser livre! Eu pulei fora do navio soviético em Abidjan, na Costa do Marfim.

Eu corri em direção à embaixada dos EUA pelas ruas empoeiradas de uma cidade portuária africana, perseguido pelos meus ex-colegas de tripulação. Os burocratas na embaixada atrapalharam-se e quase me mandaram de volta aos soviéticos. Eu resisti, e eles me colocaram em um "abrigo secreto", e depois em um avião para Nova lorque. Eu desembarquei no aeroporto Kennedy em fevereiro de 1974, chegando da África, vestindo roupas de verão e com $25 no meu bolso. Eu falava Inglês, mas não conhecia absolutamente ninguém no país." (A. Elder. "Negociações como profissão".)

Elder conseguiu se adaptar ao novo ambiente e encontrou um rumo. Ele começou a trabalhar na sua própria área: como um psiquiatra, e fazendo negociações de ações em paralelo. Esta última ocupação o levou ao sucesso, o que o permitiu abrir sua própria companhia onde os novatos eram ensinados a trocar ações.

Em 1993, a editora John Wiley and Sons Inc. publicou o seu livro Negociações como profissão. O autor afirmou em seu livro uma concepção de análise muito original, de acordo com a qual a força maior que move o mercado são as emoções da multidão. O doutor Elder considera a multidão como uma massa indiscreta sujeita a se tornar sedenta por ouro e a manias de diferentes tipos. De acordo com Elder o comportamento da maioria dos traders é igual ao dos alcoólatras: o desejo de negociar dos traders é tão forte quanto o desejo dos viciados por beber álcool. A tendência é formada como resultado do fato de que a maioria dos traders se sente fortemente inclinado a comprar (tendência ascendente) ou vender (tendência descendente). A tendência é formada quando os perdedores não são capazes de se conter e fecham as posições, enquanto o corpo geral de traders começa a seguir na direção oposta. De acordo com esta concepção, Elder considera a análise técnica como psicologia de massa aplicada. Formas, linhas de tendência, indicadores: tudo isso, em sua opinião, reflete as emoções da multidão.

No entanto, esta concepção superficialmente atraente tem, na minha opinião, algumas desvantagens essenciais. A principal delas é que, além das emoções, alguns outro fatores influenciam a tendência. Por exemplo, o fluxo de capital devido às atividades de grandes traders que, ao contrário de seus pequenos "colegas", são sujeitos psicologicamente estáveis. A massa das ações não é uma massa indiscreta. Três classes principais de traders podem ser distinguidas na multidão da bolsa. A superposição de atividades destes três grupos de traders forma uma imagem única do mercado que os analistas vêem em um gráfico. Você não pode negociar caso você não tenha dinheiro em seu bolso, não importa se suas emoções são fortes ou não. Qualquer flutuação de preço, mesmo as pouco consideráveis, são causadas por um contrato bilateral: alguém vende e alguém compra. Esta operação precisa, antes de tudo, de dinheiro e uma participação em ações. Emoções acompanham a tendência, mas elas não a determinam. Afirmar o contrário é o mesmo que dizer que um carro pode seguir em frente com um tanque vazio de gasolina, dirigido somente pelo desejo intenso do motorista.

No entanto, a força mais importante que move o mercado é a economia real. O petróleo e as ações de petróleo cresceram nos últimos anos não devido a "emoções da multidão", mas porque esta matéria-prima esteva em alta demanda na China e nos EUA.

NB: Eu acredito que as emoções dos traders devem, é claro, ser consideradas na análise. Emoções muitas vezes podem fazer com que alguns objetos apareçam no gráfico, por exemplo, as chamadas falsas quebras. No entanto, a psicologia da multidão deve ser considerada em conjunto com, por exemplo, o fluxo de capital.




Volume de negociações

A interpretação moderna do volume de negociações no mercado secundário é, em termos de análise técnica, muito genérica por natureza, intrinsecamente errônea, e incapaz de auxiliar significativamente um analista. A escola japonesa ignora o volume do todo. Se falarmos sobre a escola ocidental, algumas afirmações do livro de A. Elder, "Negociações como profissão" (1993) podem ser citadas e comentadas aqui no intuito de ilustrar o argumento supracitado. Na minha opinião, elas mostram a situação atual no campo de análise técnica muito bem.

A. Elder escreve: "O volume reflete o grau de envolvimento financeiro e emocional, assim como a dor dos participantes do mercado". [P.169] Esta afirmação é apenas parcialmente verdadeira. O problema é que o volume geralmente reflete atividades de grandes traders, que não são emocionais. Isto significa que grandes volumes nem sempre mostram forte envolvimento emocional dos participantes nas negociações. De modo semelhante, um pequeno volume pode certamente significar que alguns operadores de mercado viajaram de férias (na Rússia, por exemplo, é este o caso em julho e agosto, e nos últimos dez dias de dezembro), e não que a "multidão" teve emoções fracas ou não reagiu às variadas informações vindas de seus terminais. Além disso, vamos imaginar que um distribuidor não experiente abre uma posição longa, na qual o preço cai, ao contrário do que ele esperava. Tal trader irá manter esta posição desvantajosa na esperança de que o preço mude de direção em seu favor. E, quanto mais o preço cai, mais fortes serão as emoções do trader. Assim que a sua dor se tornar insuperável, o trader irá fechar a posição. Neste exemplo, podemos notar que a intensidade da realização das negociações e, portanto, o volume de negociações, não está diretamente relacionada com a intensidade de dor, nem é diretamente relacionada com o grau de envolvimento financeiro e emocional dos participantes do mercado já que, ao contrário de toda a dor que o distribuidor acumulou para si mesmo, o trader entrou no mercado somente uma vez - com o objetivo de fechar a posição. - Eu observaria, de passagem, que Elder não explicou o que é, em seus termos, o "envolvimento financeiro". Isto dificulta a compreensão de seu raciocínio.

Continuando a leitura: "Cada tick tira dinheiro dos perdedores e entrega aos ganhadores. Quando os preços crescem, longas lucra, enquanto as curtas perdem. Vencedores se sentem felizes e eufóricos, enquanto os perdedores se sentem deprimidos ou bravos. Sempre que os preços se movem, praticamente metade dos traders estão magoados. Quando os preços sobrem, os baixistas estão com dores, e quando os preços caem, o altistas sofrem. Quanto maior o aumento em volume, mais dor há no mercado." [P.169]. A situação descrita pelo autor em suas primeiras duas sentenças ocorre em sua forma pura somente nos mercados de futuro quando se joga com alavancagem. Ambos as afirmações acima não se relacionam de maneira nenhuma à clássica bolsa de valores na qual os traders vendem e compram com cobertura completa já que, se um trader comprou alguma ação e o preço vai contra ele, somente a estimativa de mercado de suas ações irá entrar em queda. Da mesma maneira, se o preço começasse a crescer depois de ele ter vendido as suas ações, o trader pode culpar somente a si mesmo por ter vendido muito cedo. Não estamos falando de nenhuma perda, em nenhum dos casos. Elder então observa: "Vencedores se sentem felizes e eufóricos, enquanto os perdedores se sentem deprimidos ou bravos. " Na verdade, tudo é muito mais complicado. Vamos imaginar que um trader comprou ações e o preço cresce. Este trader é um vencedor, não é? No entanto, isto não significa que este trader está feliz e eufórico. Muito pelo contrário, ele pode estar deprimido e triste. O trader está com medo de que o preço possa mudar drasticamente! Então imagine que um trader comprou algumas ações e o preço vai contra as suas expectativas. De acordo com Elder, este trader deve ficar deprimido e bravo. No entanto, na prática podemos ver que este trader está renovado e feliz. Por quê? A questão é que o trader está feliz por ter a oportunidade de comprar mais ações a um preço mais baixo. Outra afirmação conseguinte de Elder: "Sempre que os preços se movem, praticamente metade dos traders estão magoados.". Este é mais um argumento discutível. Vamos imaginar que o preço está crescendo e os compradores são dois grandes traders, sendo que os vendedores são 40 distribuidores. Neste caso, a dor será sentida pela grande maioria dos participantes do mercado, e não somente por 50% deles. E, finalmente, as últimas afirmações sobre "quanto maior o aumento no volume, mais dor há no mercado" também são no mínimo discutíveis. As seguintes frases de Elder são também bastante típicas: "Uma explosão de volume extremamente alto também dá um sinal de que a tendência está chegando ao seu fim". [P.170] e "Um volume alto confirma tendências". [P.171]. Vamos comparar as citações a seguir: "O volume de queda mostra que o combustível está sendo removido da tendência de subida e já está se invertendo" [P.170] e "... um declínio pode persistir no volume baixo" [P.171]. Estas afirmações são mutuamente exclusivas. Esta interpretação do volume não é útil para um analista. Em minha opinião, tais afirmações comprovam que o seu autor não se aprofundou na natureza dos mercados sendo analisados. É por isso que ele interpreta a informação sobre volume de negociações da forma errada.

Nesta conexão, mais uma frase é típica: "Quando o mercado cresce para um novo pico em menor volume que o seu último pico, procure por uma oportunidade de vender a descoberto" [P.171]. Primeiro, não está claro porque isto deve ser assim. Segundo, a atenção do analista é, por alguma razão, direcionada para o volume dos dias de negociação, nos quais os extremos de preço caem, sendo que os volumes de dias precedentes e seguintes não são considerados. Isto é obviamente um erro já que as tendências do mercado secundário frequentemente se desenvolvem como um resultado da atividade de grandes traders que não se mostram dentro de um (mesmo no pico) dia, mas dentro de vários dias.

NB: Portanto, podemos afirmar que a análise técnica moderna não pode dar nenhuma interpretação comprovadamente científica para uma característica tão importante das negociações como o volume. Portanto, permanecemos com a seguinte tarefa: interpretar e explicar o volume de uma maneira apropriada.




Conclusões

Resumido, eu gostaria de observar que a análise técnica está agora passando por "problemas de dentição" marcado por entradas em pesados refinamentos de ingenuidade empírica. A análise técnica tem toda o potencial de se tornar uma ciência real. No entanto, para isto são necessários novos desenvolvimentos, não somente a consciência sobre faltas e erros.

Infelizmente, a maioria dos analistas técnicas ignora todo este raciocínio. Eles se encolheram em seu próprio mundo. Eles gostam apenas de construir gráficos, só isso. No entanto, a sua tarefa final é prever o futuro. E esta é a tarefa mais difícil do mercado. O futuro não é conservado como um arquivo zip no passado. Ele sempre nos traz surpresas.

Este é o futuro que nos irá mostrar se a análise técnica é capaz de contornas suas próprias fronteiras e dar início a um novo ciclo de desenvolvimento.

Constantin Tsarikhin, 2002-2004.


Traduzido do russo por MetaQuotes Software Corp.
Artigo original: https://www.mql5.com/ru/articles/1445

Erros de iniciantes no trabalho com o terminal do cliente MetaTrader 4 Erros de iniciantes no trabalho com o terminal do cliente MetaTrader 4

Errar é humano. Todos cometem erros: com maior ou menor frequência, por ignorância ou acidente. Você perguntou e agora nós respondemos às suas perguntas sobre: horário do terminal, resultados de testes, impressão no diário, símbolos, histórico do provador, importação do histórico, alavancagem, tráfego, dicas, redimensionamento, cálculos errados, conta inválida, ausência de notícias, mudança de preço, falta de dinheiro, fechamento do mercado.

Diagramas tridimensionais - uma ferramenta profissional de análise de mercado Diagramas tridimensionais - uma ferramenta profissional de análise de mercado

Neste artigo escreveremos uma biblioteca simples para a construção de diagramas 3D e sua exibição posterior no Microsoft Excel. Usaremos as opções padrão do MQL4 para preparar e exportar os dados ao arquivo *.csv.

O que é um martingale? O que é um martingale?

Uma breve descrição das várias ilusões que surgem quando as pessoas realizam negociações usando estratégias de aposta martingale ou utilizam mal o surgimento de picos e outras abordagens.

Como desenvolver uma estratégia de negociação lucrativa Como desenvolver uma estratégia de negociação lucrativa

Este artigo fornece uma resposta à seguinte questão: "É possível formular uma estratégia de negociação automatizada baseada em dados do histórico com redes neurais?".