Eleições se aproximam

Eleições se aproximam

3 outubro 2016, 11:02
Anderson de Carvalho Manilha Braga
0
39

Começamos um novo mês e trimestre, o que é susceptível de ser cada vez mais tomado pela eleição presidencial iminente nos EUA, algo que o mercado em grande parte conseguiu ignorar até agora. Para este fim, o relatório de emprego norte-americano, que deve ser lançado no final desta semana, poderia se esforçar para provocar o impacto habitual nos mercados, dado que o preço de mercado atual tem menos de 20% de chance de o Fed alterar as taxas uma semana antes da eleição. A reunião de dezembro é outra questão. O Federal Reserve (Fed), banco central americano, manteve os juros de curto prazo inalterados na última reunião, mas indicou que ainda espera elevar a taxa de referência antes do fim do ano, num sinal de que seus dirigentes, divididos sobre quando recuar nas políticas de estímulo, alcançaram uma trégua.

A presidente do Fed, Janet Yellen, ofereceu uma análise otimista sobre a economia dos Estados Unidos, notando que o crescimento acelerou depois de um primeiro semestre bastante lento, com a renda das famílias crescendo solidamente e trabalhadores voltando ao mercado de trabalho, depois de anos sem sequer procurar emprego.

Mesmo assim, Yellen está sem pressa de elevar os juros para esfriar a economia porque a inflação continua abaixo da meta de 2% ao ano e o número maior de trabalhadores disponíveis está impedindo que os salários aumentem.

Numa tentativa de equilibrar visões divergentes dentro do Fed, entre as autoridades que queriam elevar os juros na reunião encerrada e aquelas que preferiam esperar, Yellen decidiu adiar qualquer medida, sinalizando, ao mesmo tempo, que deve ocorrer uma alta antes do fim do ano.

“Nós julgamos que as justificativas para um aumento ganharam força, mas decidimos esperar, por enquanto, pela continuação do progresso em direção a nossos objetivos”, disse Yellen durante a coletiva de imprensa realizada após a reunião.

Os dirigentes reduziram suas estimativas tanto para o crescimento no longo prazo como para a trajetória dos juros. Eles agora anteveem somente uma alta de juros neste ano, duas no próximo e três em 2018 e 2019. Na reunião de junho, eles projetaram duas altas em 2016, três em 2017 e mais três em 2018. O Fed prevê agora que o crescimento de longo prazo se estabilize em 1,8% por ano, ante 2% estimados em junho.

Yellen disse que as mudanças são um reconhecimento de que o crescimento da produtividade “vai provavelmente continuar baixo por um período prolongado”.

A decisão ilustra a falta de urgência na liderança do Fed quanto a aumentar os juros, mas também o desafio enfrentado por Yellen para conciliar as visões divergentes dentro da instituição.

Olhando pra hoje, começamos a semana com esterlina tendo gapped menor após a PM UK, finalmente se colocou uma marca na linha do tempo na saída do Reino Unido da União Europeia. Já há calendário para o Brexit. A Grã-Bretanha vai desencadear o processo de separação formal da União Europeia até ao final de Março de 2017, segundo a primeira-ministra Theresa May. Nós vimos ruptura abaixo do nível de 1,29 no início da sessão europeia, enquanto EURGBP está perto de fazer novas máximas para o ano, o que poderia desencadear uma maior atividade de influência sobre a libra. O iene continua a recuar, permitindo USDJPY mais uma vez se afastar do nível 100. A pesquisa Tankan mostrou mensagens contraditórias sobre o estado da economia japonesa. Deutsche Bank nunca está longe das manchetes dos jornais, com muita conversa no fim de semana a partir do estabelecimento política alemã para onde vamos a partir de agora. Para hoje, vemos os dados do Reino Unido PMI, e dados dos EUA USM.


http://siellafx.com


Compartilhe com os amigos: