EFE: PIB alemão se retrai no segundo trimestre

EFE: PIB alemão se retrai no segundo trimestre

14 agosto 2014, 12:16
Mansurrio
0
86

O Produto Interno Bruto (PIB) da Alemanha se contraiu 0,2% no segundo trimestre em comparação com o trimestre anterior, divulgou nesta quinta-feira o Escritório Federal de Estatística (Destatis).

Os analistas e o próprio governo alemão já tinham antecipado nos últimos dias que a maior economia europeia tinha esfriado em relação ao primeiro trimestre, quando cresceu 0,7%, segundo os cálculos definitivos do Destatis, devido à incerta recuperação da zona do euro e a crise da Ucrânia.

No entanto, a taxa de evolução do PIB é pior do que havia sido estimada pela maioria dos analistas.

"Foram responsáveis pela ligeira contração do PIB no segundo trimestre, de acordo com os cálculos provisórios, o comércio exterior e os investimentos", explicou o escritório no comunicado.

As exportações cresceram menos do que as importações entre abril e junho na Alemanha, o que fez com que o setor exterior contribuísse negativamente para o crescimento, algo incomum na economia alemã.

Os investimentos - especialmente em construção - diminuíram drasticamente, em parte pelo suave inverno, que interrompeu menos do que o normal a atividade neste setor.

De forma positiva contribuiu o consumo privado e do setor público, que avançou ligeiramente em comparação com o primeiro trimestre deste ano.

Em comparação com o segundo trimestre de 2013, a economia alemã cresceu a preços constantes entre março e junho 0,8 %, e 1,2% se o efeito calendário foi eliminado.

A última vez que o PIB da maior economia europeia diminuiu foi no primeiro trimestre de 2013, quando retrocedeu 0,4% em relação aos três meses anteriores.

"Após o forte primeiro trimestre, o segundo trimestre experimentou um enfraquecimento. Junto da frágil evolução da zona do euro, a economia alemã enfrentou também a insegurança derivada dos eventos geopolíticos", apontou um relatório do Ministério da Economia divulgado na terça-feira.

O Ministério ressaltou no entanto que a "tendência positiva de base continua intacta", que o mercado de trabalho se mantém "estável", que as receitas "sobem" e a tendência de consumo "continua em alta".

Este cálculo do PIB é o primeiro no qual o Destatis aplica a nova legislação europeia, que vigorará a partir de setembro. 

Compartilhe com os amigos: