Goldman corrige previsão de 40 dólares para o barril de petróleo

Goldman corrige previsão de 40 dólares para o barril de petróleo

10 março 2015, 18:00
News
0
76

O Goldman Sachs não esperava uma recuperação da procura do petróleo tão rápida e admite que a sua previsão de 40 dólares por barril pode ser demasiado baixa, diz o banco citado pela Bloomberg, esta segunda-feira. 

 Os analistas do Goldman Sachs afirmam, num relatório citado esta segunda-feira pela Bloomberg, que o preço do petróleo vai inverter a recente tendência de subida. Contudo, devido a disrupções meteorológicas com impacto na oferta e ao aumento da procura, a previsão do Goldman Sachs para o preço do petróleo para os próximos dois trimestres pode estar errada, admitem os analistas. Em Janeiro, o banco tinha previsto uma queda do West Texas Intermediate (WTI) para os 40,5 dólares por barril no segundo trimestre. O Brent chegaria aos 42 dólares por barril, segundo o relatório emitido dia 11 de Janeiro. 

"A falta de uma conjuntura significativa nos últimos meses coloca em risco a nossa previsão para a manutenção do barril de petróleo nos 40 dólares nos próximos dois trimestres", escrevem os analistas do Goldman, citados pela Bloomberg. 

Segundo o Goldman Sachs, a meteorologia, os conflitos e sanções no Iraque, Líbia e Irão provocaram uma queda na produção de 885 mil barris por dia, em Janeiro e Fevereiro, no mercado global. Por outro lado, o Inverno rigoroso nos EUA e a seca no Brasil levaram a um consumo da matéria-prima superior ao estimado. "O tempo desempenhou um papel importante na manutenção do crude fora do mercado", escreve a equipa, em que participa o analista Damien Courvalin, no relatório.  

Com o final do Inverno este crescimento do consumo pode abrandar, diz o Goldman Sachs, que mantém, contudo, a previsão de um crescimento forte da procura. "Reiteramos a nossa visão não consensual de um crescimento forte da procura em 2015, apoiado no crescimento maior da economia e preços baixos do petróleo", dizem os analistas, sublinhando que este crescimento não deverá ser atingido proximamente. 

O banco Morgan Stanley também afirmou esta segunda-feira, citado pela Bloomberg, que a procura da matéria-prima no Inverno foi superior ao estimado. No Verão, a menor procura poderá fazer subir novamente as reservas, pressionando os preços do petróleo, dizem os analistas do Morgan Stanley. 

Pelo contrário, Gary Shilling, presidente da A. Gary Shilling & Co, afirmou esta segunda-feira, em entrevista à Bloomberg, que o petróleo vai recuar até aos 10 dólares por barril, devido ao aumento da oferta conjugado com o abrandamento da procura.

 

O West Texas Intermediate, negociado em Nova Iorque, sobe esta segunda-feira 1,57% para os 50,38 dólares por barril. O Brent, negociado em Londres, que serve de referência para a Europa, perde 0,7% para os 59,30 dólares por barril. 

Compartilhe com os amigos: