G20 está preocupado com volatilidade das taxas de câmbio

G20 está preocupado com volatilidade das taxas de câmbio

18 abril 2015, 19:35
News
0
86

Os ministros das Finanças e os diretores de bancos centrais dos países do G20 ressaltaram nesta sexta-feira os "riscos significativos" que ameaçam a economia mundial ligados à "volatilidade da taxa de câmbio", em um momento em que a valorização do dólar afeta parte importante da economia.

"Persistem riscos significativos" para a economia mundial, aponta um comunicado divulgado durante a Reunião de Primavera do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial (BM).

As autoridades monetárias das 20 maiores potências econômicas ressaltaram os "desafios significativos" provocados pela "volatilidade das taxas de câmbio e o período prolongado de baixa inflação" em muitos países desenvolvidos, pelos "desequilíbrios" entre essas grandes economias e o "elevado nível de dívida pública."

Os membros também prometeram "acompanhar a volatilidade nos mercados financeiros e tomar medidas, se necessário".

O valorização do dólar frente a outras moedas, incluindo o euro, atrapalha há vários meses a economia internacional.

Apesar de beneficiar os exportadores fora dos Estados Unidos, isso pode pesar sobre o crescimento do país e complicar a situação dos Estados ou empresas endividadas em dólares.

O G20 das Finanças conclui sua declaração destacando que "2015 é um ano decisivo para as metas de desenvolvimento global", particularmente com uma conferência sobre o desenvolvimento em Addis Abeba e, no final do ano, a conferência do clima (COP21), em Paris.

Por isso, os altos funcionários pediram a "todas as instituições financeiras e organizações internacionais, no âmbito de seus mandatos, a implementar projetos ambiciosos" na área do desenvolvimento.

O comunicado ignorou por completo a situação na Grécia, que não integra a agenda de discussões do G20, embora a situação financeira crítica do país europeu tenha impulsionado várias discussões bilaterais.

O ministro francês das Finanças, Michel Sapin, descartou "que a Grécia saia do euro", pois este cenário representaria um risco político para o futuro da união monetária.


Compartilhe com os amigos: