Nova greve geral busca paralisar Argentina por melhorias salariais

Nova greve geral busca paralisar Argentina por melhorias salariais

28 agosto 2014, 22:14
News
0
52

Com bloqueios de ruas, começou nesta quinta-feira, na Argentina, a segunda greve geral do ano, convocada pelas três centrais operárias opositoras à presidente Cristina Kirchner, que buscam paralisar o país exigindo melhorias salariais, no momento em que a economia está em declínio.

O governo afirma que os sindicatos opositores que convocaram a greve e que prometem mais ações de força para setembro buscam obter ganhos políticos.

Bloqueios e piquetes nos acessos principais a Buenos Aires e ao centro da capital, onde milhares de pessoas trabalham, foram organizados pelos grupos sindicais mais radicais desde a meia-noite desta quinta-feira para impedir a passagem de alguns transportes públicos, como táxis e ônibus que não aderiram à greve.

Os temas centrais da greve são a queda do emprego, um imposto sobre a renda que afeta grande parte da massa trabalhadora e uma inflação incontrolável que é vivida em um clima de incerteza financeira pelo bloqueio judicial de pagamentos da dívida nos Estados Unidos, que empurrou a terceira economia da América Latina a um default seletivo.

Maquinistas de trens, bancários, portuários, trabalhadores aeronáuticos, funcionários de hospitais públicos e caminhoneiros são alguns dos poderosos sindicatos que interromperam as atividades por 24 horas nesta quinta-feira e se somaram a outros sindicatos que na quarta-feira começaram uma greve por 36 horas.

Mas não conseguiram a adesão do sindicato dos motoristas de ônibus, transporte crucial que na primeira greve deste ano, em 10 de abril, cumpriu o objetivo de esvaziar as ruas, os postos de trabalho e as escolas.

No entanto, alguns motoristas de vias que estão bloqueadas interromperam os serviços, enquanto outros exigiram que o governo garanta medidas de segurança.

Os sindicatos denunciam que a inflação anual superior a 30% castiga sem piedade os bolsos dos trabalhadores, num momento em que a taxa de desemprego cresceu de 7,1% a 7,5%.

Durante o dia não são esperadas manifestações ou concentrações na capital.

Compartilhe com os amigos: