Coincheck: O maior roubo da história no mercado cripto

Coincheck: O maior roubo da história no mercado cripto

27 janeiro 2018, 16:49
Marcos Pereira
0
39

Foi assim que toda a mídia tratou o hack que atacou a exchange japonesa Coincheck, no qual, segundo o presidente da casa, Wakata Koichi Yoshihiro, e o diretor de operações, Yusuke Otsuka, estimavam sua perda em 58 bilhões de ienes (cerca de US$ 533 milhões). Cerca de 500 milhões de tokens NEM foram retirados das carteiras digitais da Coincheck, que, absurdamente mantinha os ativos em carteiras quentes.

Tudo começou quando a empresa anunciou em seu site em torno das 13h (04:00 UTC) que tinha restringido os depósitos, negociação e retirada do XEM, o token que corre na cadeia de blocos NEM. Uma suspensão mais ampla nas retiradas de todas as criptomoedas, bem como o iene japonês foi anunciado cerca de 30 minutos depois. Na hora seguinte, a negociação de todas as moedas também foi restrita, exceto o bitcoin. De acordo com a última atualização, outros métodos de depósito, inclusive cartões de crédito, também foram interrompidos.

Os executivos da Coincheck admitiram durante a coletiva de imprensa que mantiveram a grande maioria de seus fundos em “carteiras quentes”, que se tornam vulneráveis ​​se os hackers violarem os servidores da empresa. Como os hacks se tornaram tão comuns, as exchanges respeitáveis ​​mantêm a grande maioria de seus fundos em “carteiras frias”, que são armazenadas offline e em locais seguros. Coincheck, no entanto, disse que “foi difícil para nós gerenciar a carteira de frio“.  Para piorar as coisas, o Coincheck não implementou o sistema de contrato inteligente multisignado da NEM , que teria adicionado uma camada adicional de segurança à carteira.

Os desenvolvedores do NEM e a comunidade de desenvolvimento de código aberto da moeda reafirmaram que um hard fork não será executado para recuperar fundos perdidos de uma exchange centralizada. Lon Wong, presidente da Fundação NEM.io, twittou: “É lamentável que Coincheck tenha sido pirateado. Mas estamos fazendo tudo o que podemos para ajudar.” Wong disse aos meios de comunicação que era uma conta única que roubou os fundos, acrescentando que a tecnologia da NEM não tinha nada ver com isso, que o ataque havia sido em uma corretora particular e que a tecnologia da moeda está “intacta“.

Separadamente, Paul Rieger, membro da equipe NEM Europe, que desenvolveu o token XEM, disse à CoinDesk que sua organização estava marcando o XEM roubado e compartilhando os endereços afetados com as exchanges. Como o NEM é uma plataforma baseada em contas, todas as contas associadas podem ser marcadas, permitindo que as exchanges conheçam se uma conta roubou fundos ou não. Rieger disse que terceiros ajudaram a marcar as contas compartilhando informações sobre retiradas legítimas de Coincheck. No entanto, não é absolutamente certo que cada conta marcada contenha XEM roubado ou que todos os tokens roubados tenham sido marcados.

Mt. Gox

As comparações com o Mt. Gox foram quase instantâneas, em seu apogeu, a exchange representava muito no mercado de criptomoedas e era quase única no sistema. Hoje, há muitas exchanges, e muitas outras criptomoedas. Chris Burniske, sócio da Placeholder VC, de acordo com o CCN, calculou que o hack do MtGox, representou cerca de 5% do valor total da rede de cripto-ativos naquele momento em contraste, o roubo de Coincheck representa menos de 0,25% do valor agregado, o que significa que “o impacto do Mt. Gox foi muito maior, em ordem de grandeza, do que o atual que foi o de maior valor em dólar.

A Coincheck anunciou que esta estudando uma forma de compensar seus clientes. Vamos acompanhar.

Por Marcos Sepó Technician Financial And Programmer

Compartilhe com os amigos: