Alta da inflação de serviços deve superar 8% este ano

Alta da inflação de serviços deve superar 8% este ano

5 outubro 2014, 00:00
News
0
22

Os serviços serão o principal foco de pressão da inflação em 2015, junto com os preços administrados pelo governo. Apesar de uma ligeira desaceleração no ritmo de alta esperada para este ano e para o próximo, a inflação de serviços segue alta, acima do índice geral de preços. No período de 12 meses até agosto, a inflação dos serviços subiu 8,5%, enquanto o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficou em 6,5%.

Os preços se mantêm em nível elevado, apesar do freio na economia. Em 2014, os serviços devem registrar a menor taxa de crescimento em 11 anos. A resistência da inflação é explicada pelo mercado de trabalho aquecido - embora em desaceleração -, pela indexação dos preços, e pela maior demanda por serviços por parte das classes sociais que foram incorporadas ao mercado de consumo.

Nos últimos dois anos, a inflação de serviços ficou estacionada em 8,7%. A previsão é de um pequeno recuo para algo entre 8,1% e 8,3% em 2014. Para 2015, a expectativa é de um índice até um ponto porcentual menor.

"É uma desaceleração importante, mas os serviços vão continuar se destacando como uma das principais fontes de pressão no IPCA", diz a economista da consultoria Tendências, Adriana Molinari. Suas projeções indicam um IPCA de 6,8% em 2015. Os serviços devem responder por 36% do total, a mesma fatia dos administrados.

"Em qualquer lugar do mundo a variação dos preços dos serviços corre acima da inflação total por se tratar de um item que não é comercializável (que não pode ser importado)", diz o economista da LCA, Fábio Romão.

Ele diz que a diferença está elevada por causa de uma combinação inédita de fatores. Nos últimos três anos, a inflação dos serviços superou em quase 50% a inflação geral ao consumidor. "Em 2014 essa relação deve cair para 30% e, em 2015, para 20%."

Descompasso. A demora da inflação de serviços para desacelerar ocorreu, na avaliação de Romão e Adriana, por vários motivos. No caso da alimentação fora de casa, o serviço que mais subiu entre 2003 e 2013 (depois do emprego doméstico), com alta de 158,4%, se deveu à subida dos alimentos, combinada com a alta do custo da mão de obra.

Adriana diz também que apesar de o mercado de trabalho ter dado sinais desfavoráveis nos últimos meses, o desemprego está baixo. Romão lembra que o rendimento médio real do trabalhador se acelerou no fim de 2013. "Isso atrapalhou a desaceleração dos preços dos serviços no início deste ano", diz o economista, explicando que há uma defasagem entre o comportamento da renda e do preço dos serviços.

Já o economista da FGV, André Braz, aponta outro fator que contribuiu para resistência dos preços: o fato de ter hoje mais gente consumindo serviços. "A expansão das classes menos favorecidas criou uma forte demanda por serviços que não foi acompanhada pela oferta."

Braz cita alguns exemplos, Um deles é o seguro facultativo de carro, cujo preço nos últimos 12 meses até setembro subiu 10,21% e a despesa de condomínio que aumentou 5,71%. A compra do primeiro carro e da casa própria e as despesas por conta dessas aquisições pesaram no bolso da classe C.

Compartilhe com os amigos: